Amapá escute o grito de quem clama por socorro!

Casa humilde, um tanto longe quanto a falta de esperança da família que ali habita. Um quadrado de madeira, iluminado pelas frestas, das frágeis paredes e do chão, que insistia em tirar a firmeza dos pés.  

Mas a cena mais forte ainda estava por vir. A rede puída pelo senhor do tempo, carregava um vida desenganada. Um jovem homem, que aos 44 anos, recebeu um atestado com dias contados. 

Foi preciso manter o equilíbrio, e buscar forças, de onde não imaginava possuir. As lágrimas tive que engolir, as quais causaram um tremendo nó na garganta e o aperto no coração que quase me sufocou. 

Pai de três filhos pequenos, esposo e chefe de família, a qual sempre manteve com a arte da pesca. Até o dia em que a vida lhe trouxe uma ingrata notícia, um laudo de câncer no estomago, que em seis meses destruiu todos os seus sonhos. 

Nesse pequeno período, foram duas cirurgias, muitas dores, muita humilhação e a trágica notícia de estar desenganado. 

Hoje, amparado por uma rede, geme de dor e vive na dependência de doações para alimentar a família, e comprar remédios que amenizem a dor que insiste em persegui-lo. 

Ao sentar ao lado daquele homem, flashes de uma vida inteira atravessaram minha mente. Ao meu lado duas pequenas crianças, uma menina de cinco anos, e um menino de sete, me olhavam apreensivos. A esposa, em pé, não escondia a ansiedade de alguma boa notícia. 

Aos poucos, todos foram esquecendo a timidez, e conseguimos ter uma agradável conversa. Ele me contou a dor que a doença trouxe para sua vida, a esposa falou das dificuldades e do medo em perder o marido. 

Quando anunciei minha ida, os olhares se entristeceram rapidamente. E desde então essa família não sai dos meus pensamentos. 

Eles precisam de ajuda, de amor, de carinho, companhia, de uma palavra de fé e esperança de que mostre que vale a pena viver! 

Hoje trago esse depoimento que é meu, para pedir a vocês meus leitores que me ajudem a ajudar, a levar um pouco de dignidade a essa família e quem sabe outras que estejam em situação pior. 

Eles precisam de comida, doem cestas básicas. E o homem, que não posso revelar o nome, precisa de bolsas de colostomia que serve para o desvio do trânsito fecal em intervenções cirúrgicas para tratamento de ferimentos anorretocólicos; e soro, que serve para lavar as bolsas. Cada bolsa custa em torno de R$20, e dura no máximo três dias. O lugar mais barato é a Farma Francy. 

Quem puder ajudar, pode comprar que entrego a família ou levo a pessoa até a casa. Mas por favor, nada de políticos querendo se favorecer da desgraça dos outros para conseguir votos. Faço questão de acompanhar os doadores até o endereço. Outra coisa, não aceito dinheiro em espécie, apenas as doações dos itens que citei acima.

Agradeço a todos que se sensibilizarem. Meus contatos são 8124-9681 e 9904-9491. 

Por Lílian Guimarães.

3 Comentários em "Amapá escute o grito de quem clama por socorro!"

  1. Anônimo Falou:

    Muito boa sua atitude! Qero ajudar. Rui.

    Anônimo Falou:

    COMO FAÇO PRA AJUDAR? LETICIA

    Anônimo Falou:

    bonito gesto! willian

Postar um comentário

Comente