Gosto muito que me falem de amor

Ontem fui a mais uma Missa da Cura, lindíssima celebração do Padre Paulo. Como já falei algumas vezes aqui, ele tem o dom de transformar todas as celebrações em momentos de reflexão e muitas bênçãos.  

A missa além de momentos de orações e fé nos traz indagações, que são intensas provocações em nosso dia a dia, do tipo: “Ate quando vamos ver a zombaria de uns em cima da miséria de muitos’, palavras do Padre Paulo.  

Questionamento que tenho feito sempre. Principalmente porque me surpreendo a cada dia, com o apoio de muitos nas centenas de sacanagens dos “nossos representantes”.  

Enquanto muitos sofrem com as deficiências da saúde, com a dor da fome, o desespero do desemprego e dezenas de outras carências. Nossos políticos se fazem de cegos, surdos e mudos, tripudiando no sofrimento de seres humanos em prol da ganância pessoal financeira. Seria cômico se não fosse trágico! 

Às vezes prefiro optar pela desinformação, para que a indignação que tem crescido de forma desenfreada, não cause um câncer alimentado pela revolta com essa corja.  

Por isso, faço minhas as palavras de Padre Paulo, do texto de Padre Orlando Gambi, narrado por Cid Moreira: “Gosto muito que me falem de amor”. 

Gosto muito que me falem de amor, porque quando me falam de amor, eu vejo que embora só tivesse feito o bem em minha vida, ainda não me caberia o direito de cruzar os braços. 

Gosto muito que me falem de amor, porque quando me falam de amor, eu me lembro que sempre existe alguém em todo lugar, que precisa da minha presença. 

Gosto muito que me falem de amor, porque quando me falam de amor, eu me lembro que não é possível amar os outros, sem pensar em todos. 

Gosto muito que me falem de amor, porque quando me falam de amor, eu me dou conta de que o próprio amor só tem sentido se aceitamos o que DEUS quer. 

Gosto muito que me falem de amor, porque quando me falam de amor, eu me convenço de que só poderei construir o homem todo, se puder suportar que me esqueça. 

Gosto muito que me falem de amor, porque quando me falam de amor, eu sinto que se ele é suavidade quando começa, deve passar pelo calvário quando deseja chegar ao fim. 

Gosto muito que me falem de amor, porque quando me falam de amor, eu me lembro que não pode haver dor humana, que não deva repercutir dentro de meu coração. 

Gosto muito quando me falem de amor, porque quando me falam de amor, eu me lembro que sempre há alguém que pode fazer melhor, todo o bem que já tenho feito. 

Gosto muito que me falem de amor, porque quando me falam de amor, eu não posso esquecer que DEUS, sempre e em toda parte, só nos pede o que é possível. 

Gosto muito que me falem de amor, porque quando me falam de amor, eu creio mais firmemente, que se quero ser lembrado de todos, não posso me esquecer de ninguém. 

Gosto muito que me falem de amor, porque quando me falam de amor, eu me lembro que se a cruz é um instrumento de martírio, é também o lugar onde nascem as melhores esperanças. 

Gosto muito que me falem de amor, porque quando me falam de amor, eu vejo que se Deus me amou antes que o tempo fosse tempo, é para que eu aproveite o tempo com urgência de amar. 

Gosto muito que me falem de amor, porque quando me falam de amor, eu creio que se o amor não pode ver ninguém infeliz, ele só se contenta quando vê todo mundo feliz.

Por Lílian Guimarães.

1 Comentários em "Gosto muito que me falem de amor"

  1. MARAVILHOSO...AH ESTE AMOR QUE
    MOVE O MUNDO ESTA ESCASSO ULTIMAMENTE PRECISAMOS RECUPERA-LO URGENTE.

Postar um comentário

Comente